No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.
Plano para matar 6 milhões… de alemães


Líder judeu confessa plano para exterminar a população alemã de Nuremberg: “Os 300 ou 400 por nós envenenados não eram nada comparados com aquilo que realmente queríamos fazer.”

“A sua idéia de vingança era a de indenizações que Israel, mais tarde, iria tomar dos alemães …”

Um plano para matar 6 milhões de alemães imediatamente após a Segunda Guerra Mundial – um para cada judeu morto no Holocausto – foi revelado pelo jornal Observer em Londres. Os pormenores do plano, que aparentemente ganhou a aprovação e o apoio de Chaim Weizmann, primeiro presidente de Israel e tio do atual presidente Ezer Weizman, foram revelados por Joseph Harmatz, natural da Lituânia, agora com 73 anos, e que perdeu dois irmãos no Holocausto.

Durante 34 anos – de 1960 a 1994 – Harmatz foi o destacado “cabeça” da rede Ort para as instituições de ensino profissional sob patrocínio judaico por todo o mundo. Mas antes disso, ele havia liderado uma organização – Din ( “Sentença”) -, cujo objetivo era distante da nobre causa de proporcionar aos jovens habilidades para a vida. Din era composta por sobreviventes do gueto Vilna que haviam jurado se vingarem dos nazistas. Foi dedicada à morte.

Os sobreviventes que escaparam do gueto passaram a lutar como partisans nas florestas da Lituânia, e depois da Segunda Guerra Mundial juraram tomar vingança: uma vida alemã para cada judeu que foi abatido durante o Holocausto.

Em suas ações, a organização não atingiu suas metas. Suspendeu a sua campanha após matar entre 300 e 400 ex-guardas de prisões e campos de concentração nazistas, através do contágio com arsênio de suas rações diárias de pão. A idéia da organização veio do poeta Abba Kovner, líder dos partisans lituanos, a quem é creditado como descrevendo os judeus “sendo levados comos cordeiros para o abate”, e Vitka, sua namorada partisan, que um dia se tornaria sua mulher.

Como primeiro passo, Kovner foi enviado para Tel Aviv para ganhar o apoio dos líderes judaicos na Palestina para um plano de envenenamento dos alemães.

As referidas lideranças sionistas são as verdadeiras precursoras do terrorismo no Séc. XX, através do uso de uma política de intimidação da população e o estabelecimento forçado de colonos nas terras palestinas. Muitos dos líderes desses grupos terroristas se tornaram, posteriormente, altos membros do governo de Israel – NR.

Ben-Gurion, então chefe da Agência Judaica e mais tarde primeiro primeiro-ministro de Israel, ficou horrorizado com a ideia de massacre e preocupado de que isso iria prejudicar a chance de criação de um Estado. Zalman Shazar, um futuro presidente de Israel, foi também hostil ao plano, dizendo a Kovner: “Nós temos outras prioridades. Iremos tomar vingança sobre a Alemanha como um Estado“.

Harmatz disse: “A sua idéia de vingança era a de indenizações que Israel, mais tarde, iria tomar dos alemães … Não era essa minha idéia.”

O reluzir do metal que alimenta a natureza materialista dos burgueses apátridas – NR.

Mas Chaim Weizmann foi mais receptivo: “Ele aprovou nossos planos”, disse Harmatz “, e recomendou um cientista que faria um veneno para nós.” O cientista foi um professor na Sieff [mais tarde Weizmann] Institute, em Rehovot.

Na verdade, Weizmann não foi explicitamente identificado por Harmatz em seu livro, “From the Wings”, que está para ser publicado pelo The Book Guild, em maio. Em seu livro, Harmatz refere-se a Weizmann simplesmente como “um ancião”. Harmatz concordou com a observação do entrevistador de que “ancião” foi realmente em referência a Weizmann, e que Weizmann tinha sido o pivô da operação Din: “Eu não queria o fato [de sua identidade] ter sido revelada por mim”, explicou Harmatz.

Porque é que Weizmann concordou em ajudar? “Só posso pensar que ele era líder do povo judeu”, disse Harmatz “, e, como muitos desses líderes, ele tinha a sensação de que ele não tinha feito o suficiente durante os anos do Holocausto. Estou certo disso.” Na reunião, Kovner disse a Weizmann que o grupo estava planejando envenenar alguns milhares de pães destinados ao ex-guardas das SS, que estavam detidos em prisões e campos de concentração onde eles tinham servido durante a guerra.

A história era apenas parcialmente verdadeira – pois havia um plano maior por trás. A verdadeira intenção dos Din era envenenar o abastecimento de água de Nuremberg. Mas, lembra Harmatz, “nós não queríamos assustá-lo”, e então Kovner disse a Weizmann tão somente a história do envenenamento dos pães.

A História Mundial contém episódios, principalmente que compreendem a pré-modernidade, em que os judeus haviam sido acusados de envenenamentos, contágio de abastecimento de água e tantas outras perversidades; por essas e outras foram perseguidos durante séculos, em todo o mundo. Parece que o plano da organização “Din” de contaminar a população da cidade de Nuremberg busca inspiração em um passado controverso… – NR.

Eventualmente, o professor de Rehovot produziu uma inodora, incolor substância de que Weizmann foi assegurado que seria suficiente para envenenar uma noite de produção do pão na padaria que fornecia para as quatro referidas prisões e campos de concentração, incluindo Dachau.

Kovner não conseguiu regressar com a sua carga mortífera. Retornando à Europa em um navio a vapor britânico, ele foi detido por policiais britânicos que estavam a bordo e que, obviamente sabiam da trama. As reservas de veneno, escondidas em latas de leite condensado na cabine de Kovner, foram atiradas ao mar pelos outros membros do grupo, mas Kovner foi preso e enviado de volta para a prisão no Egito.

Supervisionando a operação de Paris, Harmatz assumiu a liderança da Din. Até hoje, é incerto que tenha sido ele quem traiu o plano, mas suspeita-se da liderança yishuv, que temia que o êxito da Din poderia ter prejudicado as suas esperanças de criação de um Estado.

É claro, muito mais produtivo deixar os alemães vivos para explorá-los “como um Estado”, conforme confessou o próprio Shazar. Sem contar que tal retaliação aberta contra a população poderia colocar abaixo a lucrativa imagem de “vítima” dos perseguidos no suposto Holocausto. Tudo dentro da lógica da Propaganda de Guerra – NR.

Com os seus estoques de veneno de Rehovot descansando no fundo do Mediterrâneo, Harmatz e o grupo adquiriram uma pequena quantidade de arsênico, abandonaram a ideia do envenenamento do abastecimento de água de Nuremberg e retornaram ao plano mais modesto de envenenamento dos pães que tinha sido delineado para Weizmann.

Um sábado à noite em abril de 1946, os membros da Din invadiram o campo Stalag 13 em Nuremberg e, com um pincel fino de artista, Harmatz “pintou” 3.000 fatias de pão preto com veneno (sabendo que os guardas Americanos só iriam comer o pão branco que foi feito aos domingos).

Como ele cuidadosamente aplicou o arsênio à volta das quatro extremidades dos pães, ele estimou que “iria matar cerca de 12.000 pessoas”.

“Na parte inferior da fatia sempre havia um pouco de farinha, que usamos como base. Nós tínhamos estimado quantos poderiam comer, pois já sabíamos que cada fatia foi cortada em quatro pedaços e que cada prisioneiro iria pegar um quarto do pão. Isso significa que 3.000 pães seriam suficientes para 12.000 pessoas.”

“O que era muito importante foi que o material utilizado foi o arsênio, um veneno que sedimenta. Então, tínhamos de ter pessoas misturando-o o tempo todo, enquanto eu estava espalhando no pão.”

Para Harmatz, o dia seguinte seria maravilhoso: “Naquela manhã, pensei na minha família”, disse ele. “Senti-me muito bem pelo fato de que o trabalho estava para ser concluso. Excitados? Não estávamos excitados, porque nós tivemos que pensar em todos nós acabarmos a história e não sermos apanhados.”

O plano necessitava que eles esvaziassem seus apartamentos e fugissem para a Tchecoslováquia. Contudo o plano só foi parcialmente bem sucedido: conseguiram atravessar a fronteira da Tchecoslováquia, mas o veneno não era tão forte quanto eles esperavam. “Soubemos que 300 a 400 homens foram mortos, mas deveria ter sido mais”, disse Harmatz. “Os jornais noticiaram depois sobre como os hospitais americanos haviam bombeado os estômagos de mais de 1000 alemães.”

Depois que o Estado foi criado, Harmatz decidiu que o ônus da retaliação de Israel tinha passado para as novas lideranças e ele recusou apelos de Kovner para lançar uma nova tentativa de extrair vingança. Kovner seguiu sua liderança e abriu mão de sonhos de vingança para se tornar um dos grandes poetas do novo estado. Ele morreu cerca de 10 anos atrás.

Imagine as emoções e valores que o “poeta” Kovner imprimiu em sua obra. O “artista” que planejou a morte de 6 milhões de alemães inocentes! – NR.

Após se estabelecer em Israel, Harmatz primeiro estudou direito e, em seguida, estabeleceu na extremidade de Israel uma linha marítima francesa. Em 1960, ele ingressou na organização Ort, a qual dirigiu até a sua reforma em 1994.

Passados os últimos 13 anos nesse papel, Harmatz se fixou em Londres, onde o governo britânico consultou-lhe sobre a criação de escolas profissionais. Ele também deu suporte à Unesco, em Paris e serviu em vários comitês da ONU. Ele mesmo foi para a Alemanha para dar consultorias sobre projetos ultramarinos assistenciais.

Que tipo de assistência? Assistência para conspiração genocida? – NR.

Harmatz esperou até depois de sua aposentadoria na organização Ort para contar sua história de vingança no pós-guerra. Agora, a viver tranquilamente em Ramat Aviv, ao norte de Tel Aviv, ele ainda abriga pesares: “Não funcionou devidamente”, diz Harmatz. “Os 300 ou 400 por nós envenenados não eram nada comparados com aquilo que realmente queríamos fazer.”

Nobre causa! – NR.


FONTE: Jewish World Review

Publicado originalmente em 26/09/2009.


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas

Ativismo! - Participa na luta!