No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.
Kosher Nostra

Gangsters judeus na América 1890–1980



Quem não consegue aceitar que uma pessoa de origem judaica – assim como também um membro de outro grupo social qualquer – possa ser um criminoso comum ou extraordinário, este se encontra de forma tendenciosa nos trilhos do anti-semitismo, pois ele quer conferir a este grupo de pessoas um status especial, que por sua vez os isola perante outros grupos sociais.

Até 25 de abril de 2004, o Museu judaico apresentou sob o título “Kosher Nostra – Gangsters judeus na América 1890 – 1980” a terceira amostra do artista austríaco-israelense Oz Almog, o qual se ocupou com um capítulo da história judaico-americana pouco conhecido na Europa; a história do desenvolvimento do crime organizado nos EUA, onde mafiosos judeus tiveram um papel de destaque.

Entre os crimes podemos encontrar vários ladrões de bancos e assaltos a bancos



A história do desenvolvimento do crime organizado nos EUA teve uma significativa participação judaica. O mito bastante divulgado da dominância da máfia italiana abafou, principalmente para o público europeu, a significância do mafioso de origem judaica neste escuro capítulo da história americana. Mas ninguém que tenta desvendar a história da máfia americana pode negar a existência de homens como Meyer Lansky, Benjamin “Bugsy” Siegel, Dutch Schultz ou Louis “Lepke” Buchalter, que juntamente com seus clássicos “Paten” sicilianos determinavam o destino do submundo.

Em sua nova apresentação artística “Gangsters judeus na América 1890 -1980” o artista Oz almog ampliou sua até então aplicada disciplina de retratar pessoas em imagens e palavras, a uma impressionante apresentação documentária de toda uma época, que ao mesmo tempo é fascinante e assustadora. Sem inclinação romântica, o artista se empenha com a visão aguçada do iluminista desta parte da história judaica e ilumina os atores em todas suas contradições. Como por exemplo o impiedoso chefe de sindicato Louis “Lepke” Buchalter, que adorava sua mãe acima de tudo e por isso foi também muito respeitado pelos sicilianos de tradição familiar. Ou também o gênio estratégico Meyer Lansky, o qual como judeu consciente de suas origens lutava pelos interesses de seu povo, em paralelo a seus diversos negócios. Oz Almog mostra nesta história com retratos pintados e notas detalhadas, não o quadro de uma “guerra limpa”, mas sim oferece também através de sua vasta documentação fotográfica uma imagem angustiada da vida e morte no submundo.

Sobre isso existe também um catálogo:

“Gangsters judeus na América 1890 – 1980”, publicado por Oz Almog.
Da introdução de Erich Metz:
“A dificuldade na reconstrução da história dos gangsters judeus nos EUA se deriva principalmente da escassez acontecimentos comprovados e exatamente documentados. O que aconteceu realmente no submundo é envolto de inúmeros mitos e lendas. Desta forma, a história dos gangsters judeus também pode ser compreendida somente em conjunto com todo o desenvolvimento do crime organizado nos Estados Unidos. Os judeus requereram seu espaço conscientes de seu valor com não menos falta de escrúpulos, junto aos clássicos clãs familiares dos italianos. Seus mais famosos representantes foram: Meyer “Little Man” Lansky, Benjamin “Bugsy” Siegel, Louis “Lepke” Buchalter e Arthur “Dutch Schultz” Fleggenheimer. A maioria deles se diferenciava na mentalidade dos italianos, à medida que conduziam seus negócios ilegais afastados dos laços familiares e evitaram os holofotes da mídia. Eles vieram e se foram como uma geração vem e vai, enquanto os chefões italianos deixavam sua esfera de influência aos seus herdeiros. Os italianos construíram suas dinastias, os chefões judeus fundaram seus impérios.[...]
vabanque.twoday.net

O poderoso godfather

Jeffrey Bronfman pertence à conhecida e bilionária família Bronfman, ex-proprietária da Seagram’s, uma gigantesca empresa de bebidas alcoólicas com matriz em Montreal, Canadá. As atividades da família no ramo iniciaram-se com Samuel Bronfman, fundador do atual império comercial Seagram’s Company, na década de 20 do século passado, com a comercialização de bebidas alcoólicas, sendo a principal delas uma “inovação” inventada por Aeneas Coffey em 1831: o blend whiskey. Samuel Bronfman dizia: “A destilação é uma ciência, o blending é uma arte”. Veremos mais à frente o que provoca a “arte” de Samuel Bronfman. Stephen Birmingham, autor de The Rest of Us: The Rise of American Eastern European Jews (O Resto de Nós: A Ascensão dos Judeus Americanos da Europa Oriental), relata que “…enquanto o verdadeiro Scotch whiskey levava de dois a doze anos para ser envelhecido, o ‘fenômeno’ Scotch Bronfman poderia envelhecer em dois dias sem que ninguém notasse!”. A coisa se dá através de uma aleatória mistura de álcool com diferentes espécies de malte (cujo número pode variar de quinze a quarenta), dois a três tipos de whiskey de grão e outros ingredientes. Foi por meio de tal líqüido que Samuel Bronfman deu início a um verdadeiro império.

Quanto ao nome de família, é digno de nota o fato de que Samuel Bronfman, tio-avô de Jeffrey, na realidade não nasceu Bronfman, mas tornou-se, uma vez que o mesmo significa “whiskey man” (homem-whiskey) em yiddish.

A Seagram’s é uma empresa de origem canadense, cujo rápido crescimento se deu na época da Lei Seca, ou seja, durante a proibição de bebidas alcoólicas nos EUA, quando Samuel começou a traficar whiskey ilegal do Canadá para os EUA, inundando a América com seus venenos através de negócios milionários com a Máfia de Chicago. Esta, que era por ele fartamente suprida não só com imensas quantidades de blend whiskey, mas também com os famosos licores Seagram’s e outras bebidas, era dirigida, na época, por tipos como Lucky Luciano, Frank Costello e Meyer Lansky (nascido Maier Suchowljansky). Este último acabou transformando a Máfia numa corporação multinacional (graças a fornecedores como Samuel Bronfman) ao abrir casas de jogos em Cuba, nas Bahamas e em Londres, além de internacionalizar o circuito da prostituição. O economista estadunidense Thomas Schelling comparou, com bastante realismo, a máfia com um quase governo. Lansky era um reacionário, fanático sionista, tendo contribuído com milhões de dólares pela causa de Israel, e elegeu como seu epitáfio uma frase que repetia constantemente em vida: “Jamais me ajoelhei ante um cristão”. E assim, com amigos e sócios como esse, as portas do mundo material começaram a se abrir rapidamente para a alcoólica família traficante de bebidas.

Os herdeiros

Sam, o godfather, legou a seu herdeiro, Edgar Bronfman, uma estrutura tal que as bebidas Seagram’s são vendidas em mais de 197 países e territórios. Afiliados e subsidiárias em 41 países formam com eles o maior sistema de distribuição da indústria de bebidas alcoólicas do planeta. A Seagram’s produz, comercializa e distribui mais de 226 marcas de bebidas destiladas, mais de 180 marcas de vinho, champagnes, ports, sherries, e mais de 48 marcas de refrescos, cervejas, misturas e outras bebidas com baixo teor alcoólico. Algumas das marcas mais conhecidas incluem Crown Royal, Captain Morgan, Chivas Regal e Absolut Vodka.

Edgar Bronfman é presidente do Congresso Mundial Judaico desde 1981, apoiador fiel do governo de Ariel Sharon e um dos maiores responsáveis pela gigantesca campanha mundial contra o “anti-semitismo” (apenas em ralação a judeus e não a árabes, obviamente), tendo conseguido colossais indenizações para os judeus chamados “sobreviventes do Holocausto”. Estes, cumpre observar, parecem multiplicar-se surpreendentemente a cada dia, uma vez que, no final da Segunda Guerra o número de sobreviventes era de vinte e cinco mil, e atualmente já são cerca de oitocentos mil! Teria ocorrido com eles o milagre da ressurreição, tal qual aconteceu com o Divino Jesus? De qualquer forma, tal fato ainda tem passado despercebido para a maioria, mas se continuar no ritmo em que está, não tardará o dia em que os alardeados seis milhões de mortos ressuscitem todos, diante das incomensuráveis fortunas que são extorquidas dos povos e nações em seus nomes.

Mas, no momento, o que já é motivo de indignação por parte de muitas pessoas, como o caso que citaremos a seguir, é que as organizações judaicas não agem simplesmente no sentido de se esforçarem para retomar o que de direito lhes pertence, mas sim, segundo inúmeras afirmações, através de uma massiva extorsão, pressões e ameaças em grande escala em prol de seus interesses financeiros.

Em 1996, algumas dessas organizações afirmaram que os bancos suíços mantinham contas bancárias abertas, até então, de judeus ricos nas décadas de 30 e 40 que morreram durante a II Guerra Mundial e que, portanto, não foram capazes de retomar o seu dinheiro; por isso, agora, os sobreviventes estariam exigindo o mesmo. O Presidente da Suíça na época, Jean-Pascal Delamuraz, acusou os sionistas de terem cometido “chantagem” e “extorsão” ao tentarem fazer com que a Suíça lhes desse dinheiro sem qualquer prova de que tinham, para tal exigência, um direito legítimo.

Porém, seu sucessor à presidência não compartilhava dessa opinião e estava propenso a pagar a indenização para evitar problemas. Os banqueiros, por sua vez, não concordavam com a opinião do novo Presidente, e assim, diante dessa resistência por parte da Suíça em pagar indenizações sem provas de qualquer espécie, Edgar Bronfman encontrou-se com o embaixador desse país nos EUA e o ameaçou dizendo que, se a Suíça não liberasse imediatamente US$ 250 milhões de dólares, as próximas reuniões do House Banking Committee seriam, tanto quanto possível, difíceis para ela. Concomitantemente, um grupo de judeus nova-iorquinos que também afirmava ser sobrevivente do Holocausto, entrou com uma ação contra três dos maiores bancos da Suíça e “pediu” ao Federal Reserve Bank de Nova Iorque que suspendesse as licenças destes bancos até a resolução do processo. Israel também entrou na campanha e convocou um boicote mundial contra os bancos da Suíça.

Finalmente, após estas e mais algumas dezenas de pressões e ameaças, a afirmação de que a campanha sionista era extorsiva foi retirada por parte do governo suíço, com melindrosos pedidos de perdão aos judeus, e os US$ 250 milhões de dólares exigidos por Bronfman foram liberados. Porém, os sionistas disseram, depois, que se tratava apenas do primeiro pagamento. E então, sugeriram que US$ 7 bilhões de dólares talvez fosse um total razoável para receberem da Suíça!

Assim, com o tempo, por essas e outras, o herdeiro e ampliador do império Bronfman legou a seu filho, Edgar Bronfman Jr. (primo de Jeffrey Bronfman), todas as condições para que este expandisse as empresas Seagram’s para a área do entretenimento e multimídia de massa e, desta forma, surgiu um imenso conglomerado de mega-empresas que compreende: MCA (empresa de entretenimentos), Universal Pictures (uma das maiores companhias cinematográficas do mundo), Interscope Records (o maior promotor de um novo tipo de música, gangsta rap, cujas letras incitam explicitamente os negros a cometer atos de violência contra brancos), Universal Music e PolyGram (empresas discográficas, sendo esta última a maior da Europa). Com a compra da PolyGram, em 1998, Bronfman apropriou-se também da Deutsche Grammophon, da Decca-London e das empresas discográficas Philips.

Quando a renda da PolyGram se somou às da MCA e da Universal, os Bronfman se tornaram donos do quarto maior império dos meios de comunicação, com renda anual de US$12 bilhões de dólares.

Ao longo dos anos, eles desfizeram-se de algumas empresas, como, recentemente, da própria Seagram’s, mas trataram logo de adquirir outras tão ou mais “poderosas”, como por exemplo a Warner Music, a maior indústria fonográfica do mundo, e subsidiárias. Entre os mais populares veículos de entretenimento que os Bronfman já produziram, controlam ou empresariam, contando “artistas”, parques temáticos e filmes, estão: Madonna, Guns N’ Roses, Led Zeppelin, Metallica, Sheryl Crow, Bee Gees, Dru Hill, Enrique Iglesias, Elton John, Jay-Z, Kirk Franklin, Woody Woodpecker, Motown Live, Blind Date, Linkin Park, The Flinkstones, E.T. – The Extra Terrestrial, Jurassic Park, Xena: Warrior Princess, Bruce Lee, Dionne Warwick e R.E.M.

Como se vê, a afirmação do escritor norte-americano John Whitley de que os Bronfman, juntamente com mais seis detentores da mídia do sistema mundial, controlam os EUA e o mundo, não é de se desprezar. Os Bronfman podem até se dar ao “luxo” de financiar dois candidatos concorrentes à presidência dos EUA ao mesmo tempo! Por incrível que pareça, durante as recentes eleições nos Estados Unidos da América, nas quais Bush venceu de forma fraudulenta, eles doaram a ambos os partidos que disputavam a presidência daquele país – o Republicano e o Democrata – imensas quantias em dinheiro, praticamente iguais. Conforme diz o dito popular, garantia pouca é bobagem… principalmente para quem deve e teme…

Ainda sobre as atividades dos Bronfman, apenas citaremos mais algumas informações que obtivemos a respeito das mesmas, que denunciam a participação da referida família no crime organizado. Além de traficar bebidas, a whiskey family traficaria mulheres russas, as quais são prostituídas e mantidas na escravidão em boates de Israel e em bordéis de outros países; também estaria envolvida com o Mossad (serviço secreto do governo israelense), com o assassinato de John Kennedy, com o narcotráfico e com a prostituição no Canadá.

O resultado de tudo isso, conforme afirmam pesquisadores, é um controle da economia, da política e da mídia internacional pelos Rothschild na Inglaterra, pelos Rockfeller na América e pelos Bronfman tanto no Canadá como também na América, aos quais se somam mais de uma dúzia de Banksters (gangsters da usura), todos com o apoio dos Bilderberger, da Comissão Trilateral, do CFR (Conselho de Relações Estrangeiras), do Comitê dos 300 (as 17 mais ricas famílias do mundo chamadas de “elite”), e da B’nai B’rith, que inclusive é dirigida por Edgar Bronfman, além de todos os governos podres e vendidos. Esse é o sinistro panorama da estrutura do poder material, da mentalidade e cultura de uma “Nova Ordem Mundial”*.

(* O termo “Nova Ordem Mundial” é freqüentemente utilizado para citar a organização das relações internacionais pós-Guerra Fria. Entretanto, o termo se refere aqui ao processo de desculturação e destruição dos povos do mundo, especialmente os de origem européia, iniciado em fins do século XIX e, mais especificamente, à “Grande Onda”: o processo em escala gigantesca de depravação e subversão das bases da civilização ocidental, iniciado nos Estados Unidos na década de 50, e exportado pelo mundo nas décadas seguintes.)

Um vale de lágrimas

No caso dos Bronfman, à custa de quê alcançaram eles tamanho “poder” e fortuna? Sem dúvida alguma, através do sofrimento e da destruição da vida de milhões de pessoas. Existem os lucros provindos de suas megaproduções “artísticas”, as quais influenciaram de forma maléfica milhões de jovens e adultos de todo o mundo, tendo, como protagonistas, artistas por eles patrocinados que estimulam o consumo deliberado de drogas, portam-se como delinqüentes, apresentam-se de forma suja e degradada, e induzem ao sexo promíscuo e homossexual. Com isso, acabaram contribuindo para alastrar pelo planeta a imoralidade, a rebeldia, a pornografia, o desrespeito, o vício, a autodestruição, a superficialidade, a mediocridade e uma moda degradante, atuando como verdadeiros agentes subversivos e corrompedores da humanidade. Porém, não iremos nos estender nesse ponto, mas sim nos ater aos efeitos das bebidas alcoólicas, que foram o carro-chefe e a mola propulsora do império Bronfman.

Estima-se que 90% da população adulta dos países “civilizados”, ou seja, aproximadamente cinco bilhões e meio de seres humanos, bebam álcool com alguma periodicidade, sendo que aproximadamente 50% possuem problemas temporários devido a esse vício e 10 a 15% são alcoólatras crônicos. O alcoolismo social é uma forma de dependência aceita por quase todos e praticada pela maioria dos jovens e adultos nas sociedades modernas; e o alcoolismo, a principal forma de toxicomania da atualidade.


samamultimidia.com.br


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas

Ativismo! - Participa na luta!