No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

汉语

Notas sobre cinismo e hipocrisia


O Caso Paula Oliveira e a Conferência Durban II

Por Alfredo Braga

 

A tentativa frustrada e o falhanço do embuste de Paula Oliveira e do seu namorado "suíço" – com o apoio "logístico" do solícito Noblat, e de parentes no Brasil – não é um fato isolado; e tanto quanto esses amestrados jornalistas e apresentadores, os representantes do Governo brasileiro também já iam mostrando aquela presteza servil e o desonesto açodamento – evidentemente orquestrado – para lançar as mesmas e desgastadas acusações de "racista", "neonazista", "anti-semita"... e aquela velha e cínica cantilena do "holocausto judeu"... mas, desta vez não deu certo. Felizmente, aos poucos, a verdade ressurge, límpida, e vai abalando os esquisitos planos e os obscuros intentos da ladina e perversa cabala dessa gente.

Edgar Bronfman: "As calorosas boas-vindas da América conduziram para um novo e irônico tipo de perigo: o perigo é que sem o anti-semitismo que nos compele para a nossa identidade, nós iremos esquecer quem somos."


A exposição na Galeria Bronfman, estimulando a vitimização e a automutilação de mulheres judias.



Edgar Bronfman vai deixando no ar a cínica sugestão de fabricação de episódios de "anti-semitismo" para realimentar essa rancorosa e vingativa "identidade judaica" e, desse modo, tentar reavivar o lucrativo e desgastado "mito do holocausto judeu".

 

identidade judaica

 


o cinismo judeo-sionista

 



insolência e hipocrisia

Paulo Vanucchi: ".... crime gravíssimo, porque tem uma conotação de Crime Neonazista... que traz de volta toda a Temática dos Direitos Humanos... o Horror do Holocausto... da Discriminação, do Preconceito... e não pode haver tolerância com esses... intolerantes."

Em dezembro de 2008, Paulo Vanucchi participava de uma reunião do American Jewish Committee.

A cada dia mais evidentes vão ficando os artifícios e as manobras dessas pessoas que, agora sob qualquer pretexto, sempre trazem à baila a "temática dos direitos humanos"... e logo vão embrulhando, no meio desse abstrato e vazio discurso, a velha lengalenga do "horror do holocausto"... e se não aparece algum cretino skinhead, ou "neonazista" criminoso, não deixam por menos: inventam logo três!

Mas, quando eventualmente são apanhados com a boca na botija (como o sionista Henry Sobel, aquele famoso rabino que não tem "conhecimentos científicos, nem psicológicos" para explicar a própria safadeza) o script muda rapidamente... assim, Paula Oliveira, já assessorada por um staff de médicos e "especialistas", também vai alegando "distúrbios psicológicos", desta vez atribuídos ao "lúpus eritematoso".

Em realidade, Paula Ventura Oliveira não sofre de "distúrbios psicológicos", como gostariam que acreditássemos; ela é advogada bem sucedida numa das maiores companhias do mundo, a Maersk, cujos critérios de seleção e avaliação de seus empregados e funcionários, seguem métodos e normas absolutamente rigorosos.

É evidente que essa advogada, tão bem estabelecida na Suíça, e membro de uma família de influentes personagens e agentes com livre circulação em Brasília, não teria nenhuma vontade, ou necessidade de aplicar golpes como reles estelionatária. Vários indícios mostram que essa trama foi pensada, planejada e encomendada de antemão, com a ativa participação e a supervisão de outras pessoas, e se tivessem logrado sucesso em seus intentos, as conseqüências políticas seriam gravíssimas.

O Ministro Celso Amorim, em dezembro de 2008, com representantes do American Jewish Committee.

O Congresso Mundial Judaico1 e o agressivo lobby do "holocausto judeu", andam pressionando os Governos de vários países para boicotarem Durban II, a grande Conferência sobre o racismo e a intolerância que será realizada em abril de 2009 na Suíça. Os judeus temem que nessa Conferência o alegado "holocausto judeu" seja questionado, e que o Estado de Israel seja acusado de racismo, xenofobia e genocídio, como aconteceu em 2001 em Durban e, mais recentemente no mundo inteiro, frente à absoluta bestialidade judia e ao horror dos terríveis massacres das populações civis no Líbano e na Palestina.

As sabotagens israelitas são variadas, mas a fraude, a calúnia e a difamação, são as primeiras táticas de eleição utilizadas pela estratégia judeo-sionista. Não existiu o ataque de neonazistas. Não existiu o aborto de menininhas gêmeas. Mas se a polícia não tivesse desvendado a fraude e o cinismo dessa advogada, o povo suíço seria furiosamente acusado por esses veículos de comunicação social, como a Rede Globo, o Estadão e as agências internacionais, de xenofobia e nazismo, e de abrigar gangues de sckinheads racistas e de neonazistas fanáticos e anti-semitas.

Não são poucos os grupos judeus que numa crescente rede internacional, atendem ao apelo cínico de Edgar Bronfman para fermentar e excitar essa "identidade judia" através de estratégias de incidentes provocados e de falsos "ataques anti-semitas".

Mundo afora vão espocando, aqui e ali, atos desse "horroroso vandalismo nazista" contra sinagogas e cemitérios judeus mas que, logo depois, se descobre que foram forjados pelos próprios rabinos e seus asseclas; ainda agora, há poucos anos na Alemanha, um rapaz judeu teve de confessar que era ele o fanático chefe de um estúpido grupo de garotos carecas; outra garota judia, Rebecca Katschman, recentemente, também na Alemanha, apareceu com a mesma triste história de "sádico ataque de neonazistas", e foi condenada por simular a agressão...

E por aí segue a alucinada e aflita "Campanha Bronfman pela Identidade Judaica", e agora o histérico boicote e a indecente sabotagem judeo-israelita na conferência The Durban Review Conference, a Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerâncias Correlatas.

O Sionismo Internacional, o Congresso Mundial Judaico e o Estado racista judeu, não suportam ser questionados por seus crimes contra a humanidade... a própria ONU, completamente dominada pelo lobby judeu, segue dando guarida e cobertura aos hediondos crimes e abusos dessa aberração moral e política chamada Israel.

 

Essa rancorosa "identidade judaica" vem sendo disseminada e infiltrada insidiosamente em todos os âmbitos das nossas sociedades e nações. Membros de Governos, ou Chefes de Estado, sejam eles de esquerda, ou de direita, leigos, ou religiosos, vão prestando triste vassalagem, em público, ou secretamente, a essas organizações apátridas. Entretanto, essas mesmas organizações supranacionais, já aboletadas e profundamente incrustadas em nossos países, trabalham ferozmente para destruir o orgulho nacional e o amor à pátria dos cidadão que não sejam judeus. Transcrevo a seguir um texto no qual eu já havia anotado essa indecente trama do judaísmo internacional:

Em 2004, a camarilha do presidente do México, Vicente Fox, trabalhou para sabotar o ensino da história mexicana e universal; queria no currículo escolar apenas o que foi publicado pelos jornais e revistas nos últimos dez anos... E assim vão, apagando a História e a consciência do povo mexicano. Quanta tristeza e vergonha e revolta sentiria Octávio Paz; ele iria perguntar se o Sr. Fox também ousaria proibir a esses rabinos ensinarem a Torá, ou o Talmude aos seus judeus "mexicanos"... Por aqui, essas manobras judeo-sionistas não foram necessárias, pois a nossa História, além de ser mal ensinada nas escolas, é insistentemente ridicularizada e vilipendiada por "historiadores-atores" nas grandes redes de televisão e por uns certos roteiristas e cineastas "brasileiros"...

Fazem o que querem, dizem o que querem, e ainda querem nos amordaçar, como já amordaçaram os povos de vários países europeus, enquanto a poderosa máquina de propaganda judeo-sionista, desde a sabotada escola pública, passando pela universidade, até ao mais reles bordel, ou novelas de televisão, vai disseminando a sua farsa e as suas fraudes e mentiras. É nauseante a insistência com que nos são impingidos esses filmes hollywoodianos sobre a Segunda Guerra Mundial, ou as confusas fotografias de montes de corpos com legendas mentirosas, atribuindo aos alemães crimes que, agora se sabe, foram cometidos por vários outros agentes, ou apenas na ladina e pervertida imaginação da multimilionária propaganda sionista. No Brasil, essa mesma "identidade judaica", quer nos roubar também o legítimo direito de pesquisar a História do século XX e de contestar as mentiras da sinistra cabala do Congresso Mundial Judaico.


Acompanhe a ladina atividade da bancada judeo-sionista no Senado e na Câmara, e observe a movimentação desse deputado Marcelo Zaturansky Itagiba, e a daquele senador Paulo Paim, disfarçados de "defensores dos direitos humanos", e grandes especialistas em propor "emendas" à nossa Constituição, escandalosamente a serviço da maçonaria da B'nai B'rith, da CIP, da FIERJ, esses longos tentáculos do judaísmo internacional, servindo sempre à obscura cabala d do Congresso Mundial Judaico, mas nunca verdadeiramente aos interesses da espoliada nação brasileira.

Mesmo durante a fase preparatória da Conferência Durban II, os judeus e as suas organizações secretas, ou descaradas, já se agitavam por todo o mundo no intuito de sabotarem aquele fórum onde os crimes de Israel e do sionismo internacional seriam expostos e denunciados. O multimilionário lobby judeu, tanto na própria ONU, quanto na estrutura de vários Governos e pela imprensa judaizada, fizeram de tudo para abafar as vozes que agora se levantam contra a "religião do holocausto" e, principalmente, contra o indecente conluio de certos grupos apátridas, parasitas da economia mundial. Entretanto, uns esquisitos incidentes de "anti-semitismo" já iam sendo fabricados e explorados pelos agentes judeus em várias partes do mundo. Na Suíça e no Brasil temos este estrepitoso "Caso Paula Oliveira" e agora, a poucos dias antes da visita do Presidente do Irã, a tropa judeo-sionista, tanto na mídia judia, quanto na Câmara e no Congresso, já se contorce e agita. Assista ao descaramento desse agente do sionismo internacional, o deputado federal Marcelo Zaturanski Itagiba, em seu aflito e desesperado discurso de insultos e grosserias:



Enquanto isso ...



Post Scriptum
em 16/12/2009:

Herman Rosenblat, com a cínica frase "na minha imaginação era verdade", já vai deixando discípulos; agora foi a vez da advogada Paula Ventura Oliveira, perante o Tribunal que a condenou, se sair com a mesma e descarada explicação sobre a frustrada tentativa de caluniar o povo suíço e dizer: Na minha lembrança é verdade.

É essa a verdade judia ou sionista: calúnia, injúria, logro, mentira, falsidade, fraude.




NOTA:

1 Os sites oficiais de Instituições judaicas, como o do Congresso Mundial Judaico e outros sites de orientação judeo-sionista que divulgaram e convocaram o boicote contra a Conferência Durban II, alertados de que essas propostas e os preparativos para as sabotagens estavam sendo denunciados, apressaram-se em retirá-las de suas páginas. Entretanto, ainda podemos ver os endereços desses links quebrados, como a clara demonstração do cinismo e da desonestidade dessa gente.


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas 

Ativismo! - Participa na luta!